Japão restringe capital estrangeiros em indústrias de tecnologias nacionais



O governo japonês deve restringir a propriedade estrangeira de firmas domésticas em importantes áreas de tecnologia por motivos de segurança nacional, em um movimento que ecoa as recentes tentativas americanas de restringir as empresas chinesas.


Anunciado na segunda-feira, as novas regras vão adicionar a fabricação de chips, equipamentos de telecomunicações, telefones celulares e outros setores para áreas já restritas, como equipamentos nucleares e armas.


A partir de 1º de agosto, as empresas estrangeiras que quiserem comprar mais de 10% de uma empresa japonesa em um dos 20 setores relacionados a TI precisarão de aprovação prévia do governo, de acordo com as atualizações da lei de câmbio e controle de comércio exterior.


“A importância de garantir a segurança cibernética tem aumentado nos últimos anos para o setor relacionado a aquisições específicas … que exigem notificação prévia com base no artigo 28 parágrafo 1 da Lei” , observou o governo:


Tendo em vista a prevenção apropriada de situações que podem afetar seriamente a segurança do Japão, como a saída de tecnologia importante para a segurança e a perda da produção e base de tecnologia de defesa do Japão, a indústria de fabricação de circuitos integrados etc. decidimos tomar as medidas necessárias.


Embora a China não seja citada especificamente, a ordem foi emitida quando o primeiro-ministro Shinzo Abe discutiu o comércio com Donald Trump ontem.


Isso poderia ser visto como um alinhamento com a postura dura tomada por Washington, que argumenta ser um risco à segurança nacional e injustamente subsidiado pelo governo de Pequim.


Na China, leis rigorosas obrigam os investidores estrangeiros a fazer parcerias com empresas locais, se quiserem entrar em seu vasto e lucrativo mercado. Isso levou a acusações de transferências forçadas de tecnologia para as empresas domésticas, o que permitiu ao país e aos seus campeões de alta tecnologia recuperar o atraso com seus rivais ocidentais.


No início deste mês, uma ordem executiva presidencial efetivamente proibiu empresas estrangeiras consideradas uma ameaça à segurança nacional de competir no mercado dos EUA. 


A medida tomada pelo Japão vem somar-se a uma série de medidas sob a justificativa de proteger o mercado e a soberania nacional, porém observa-se um grande direcionamento as empresas Chinesas, o que não se observa explicitamente em relação a outras nacionalidades. 


Huawei e os EUA 


O presidente Donald Trump declarou uma emergência nacional para proteger as redes de computadores dos EUA contra“adversários estrangeiros“.


Ele assinou uma ordem executiva que efetivamente impede que empresas norte-americanas usem telecomunicações estrangeiras que possam representar riscos à segurança nacional.

Segundo a BBC News, o pedido não nomeia nenhuma empresa, mas acredita-se que segmente a Huawei.


A gigante de tecnologia chinesa disse que restringir seus negócios nos EUA só prejudicaria os consumidores e as empresas americanas.


Vários países, liderados pelos EUA, levantaram preocupações nos últimos meses de que os produtos da Huawei poderiam ser usados ​​pela China para vigilância, alegações que a empresa negou veementemente.


Os EUA têm pressionado os aliados para que evitem a Huawei em sua próxima geração de redes móveis 5G.


Em um desenvolvimento separado, o departamento de comércio dos EUA adicionou a Huawei à sua “entity list“, uma espécie de “lista negra” que proíbe a empresa de adquirir tecnologia de empresas americanas sem a aprovação do governo.


As medidas tendem a piorar as tensões entre os EUA e a China, que já haviam aumentado esta semana com aumentos nas tarifas em uma guerra comercial.


Fonte: BBC

2 views
  • Twitter Ksecurity
  • Branca Ícone LinkedIn
  • White Facebook Icon

© 2019 by KSecurity - Todos os Direitos Reservados

FALE COM A K