Saiba quais são as maiores ameaças cibernéticas ao setor logístico



A transformação digital e a Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) vem trazendo mais produtividade para toda a cadeia de suprimentos, conectando organizações, fornecedores e clientes em todas as etapas, que compartilham uma infinidade de dados, assim como no transporte terrestre, marítimo e aéreo de suprimentos e produtos. E, com a digitalização, chegam as ameaças cibernéticas ao setor logístico.

Empresas brasileiras, ou organizações que operam no país, devem estar bem atentas aos riscos cibernéticos. Como ressalta Eduardo Figueiredo, da consultoria Willis Towers Watson, as ciber ameaças vêm crescendo exponencialmente em todo o mundo, e principalmente no Brasil. Os crimes cometidos por hackers no país cresceram 197% em 2018, o que nos coloca na terceira posição global, logo atrás dos Estados Unidos e China, os dois maiores alvos. Ele ressalta que, globalmente, a cada minuto são criados 45 novos vírus, 200 sites maliciosos e 5 mil novas versões de malwares. No mesmo tempo, 180 identidades são roubadas e os prejuízos chegam a US$ 2 milhões.

A WTW realizou uma pesquisa com 350 executivos nível C de empresas do setor de transporte em todo o mundo e o resultado apontou uma maior preocupação com as ameaças cibernéticas ao setor logístico, superando as preocupações com instabilidade geopolítica e mudanças nos modelos de negócios.

O iceberg agora é virtual

As empresas de transporte marítimo e as administradoras de portos, por exemplo, têm se beneficiado com a digitalização, ganhando mais eficiência operacional e rentabilidade. Certamente o crescente uso de sistemas informatizados – desde a navegação até a inspeção de contêineres – aumentou a segurança dos marinheiros e navios durante as viagens e melhorou a eficiência dos portos. O problema é que com esses navios inteligentes e a sua conectividade também chegam novas ameaças cibernéticas ao setor logístico. Provavelmente um iceberg não irá afundar um navio, como o Titanic, mas um iceberg “virtual” pode causar muitos danos.

Em 2011, um ataque cibernético a um navio do governo iraniano derrubou o seu sistema e apagou todos os dados de suas operadoras. Com isso, boa parte da carga que seria embarcada simplesmente desapareceu antes que o sistema fosse restabelecido.

Ainda em 2011, traficantes de drogas contrataram hackers para invadir os computadores do Porto de Antuérpia, na Bélgica, e assim conseguiam movimentar sua carga e apagar todas as evidências de suas atividades criminosas.

Os mesmos riscos afetam as cadeias de suprimentos e os transportes aéreo e terrestre, altamente conectados e integrados.

Como se prevenir das ameaças cibernéticas ao setor logístico

Em primeiro lugar, é preciso analisar o perfil de risco, mapeando todo o ambiente, identificando pontos de falha, sistemas críticos e vulnerabilidades e ameaças que podem causar maior impacto ao negócio.

Após identificar quais as melhores soluções para atender as suas necessidades, é necessário contar com um serviço de gestão e monitoramento do ambiente de TI 24X7, capaz de tomar medidas preventivas e proativas para garantir a sua segurança.

Além disso, todos os seus funcionários devem estar conscientes das ameaças cibernéticas ao setor de logística, recebendo treinamento e informações sobre as políticas de segurança e sobre como minimizar os riscos e impactos de um incidente.

#hackersProteçãodedadoscorporativos #ngfw #casb #ataqueDDoSrespostadeincidentes #forcepoint #utm #fortinet #ksecurity #mssp #logistica

0 visualização
  • Twitter Ksecurity
  • Branca Ícone LinkedIn
  • White Facebook Icon

© 2019 by KSecurity - Todos os Direitos Reservados

FALE COM A K