Segurança em redes de computadores: vá além do NGFW

O next-generation firewalls (NGFW) pode fazer a diferença em uma estratégia de segurança em redes de computadores. O NGFW é uma solução de segurança capaz de detectar e bloquear ataques com alto nível de sofisticação, integrando as capacidades de um firewall comum com as características de um controle de aplicações.

Além de suas vantagens na obtenção e mais segurança para o ambiente, o NGFW também pode trazer a tecnologia patenteada multilink VPN, que permite que múltiplos links de comunicação sejam conectados ao NGFW, permitindo o balanceamento do tráfego entre links distintos, garantindo alta disponibilidade da rede. Leia mais

Obtenha o retorno desejado da gestão de segurança da informação

Os responsáveis pela gestão de segurança da informação precisam defender e gerenciar o budget de segurança para atingir as expectativas dos stakeholders em termos de retorno de investimento. Diante disso, um dos maiores desafios dos CSOs e dos CISOs é garantir que o budget de segurança seja suficiente para entregar o nível de segurança esperado.

Na maioria das empresas, no entanto, os líderes de segurança não têm controle do budget de segurança da informação, pois este encontra-se submetido à TI – estima-se que o budget de segurança corresponda a cerca de 5% do budget total de TI, segundo uma pesquisa do Gartner.

Os recursos destinados à área de segurança da informação têm crescido ao longo dos anos, junto com o crescimento do budget de TI. Porém, se os líderes de segurança não forem capazes de demonstrar os benefícios de mais recursos, essa situação pode mudar. Leia mais

Mitigue os riscos com as soluções de segurança da informação certas

Empresas de todos os setores da indústria precisam de soluções de segurança da informação que garantam a confidencialidade, a disponibilidade e a integridade de seus dados sensíveis para mitigar os riscos de danos ao negócio. No entanto, contar com um conjunto de soluções que de fato entregue o nível necessário de segurança da informação ainda é um desafio.

Tendo em mente a frase “Não é uma questão de ‘se’ você vai ser hackeado – mas uma questão de ‘quando’”, muitos gestores acabam convencidos por fornecedores de soluções que garantem blindar o ambiente contra tudo. Essas promessas, no entanto, acabam custando caro pela falsa sensação de segurança que causam.

Garantir a continuidade do negócio exige um bom conjunto de soluções de segurança da informação para mitigar os riscos. Continue acompanhando o post e saiba como garantir que os controles de segurança em seu ambiente tenham, de fato, um papel na sua estratégia de proteção: Leia mais

Três maneiras de melhorar o gerenciamento de incidentes

O gerenciamento de incidentes em muitas empresas acaba se tornando apenas um acervo de documentos que termina esquecido em uma pasta tomando pó. Diante de um incidente real, os métodos definidos, que, na maioria das vezes, não passaram por nenhum teste ou simulação, se mostram ineficientes e sem nenhum impacto diante de um ataque em andamento.

Com o nível de sofisticação dos ataques crescendo, hackers podem permanecer na rede corporativa sem serem detectados por semanas, ou até meses. Além disso, ameaças como ransomware e malwares do tipo zero-day também mostram que as empresas não podem apenas esperar até que o pior aconteça – do contrário, será tarde demais para lidar com os danos.

Existem várias maneiras de fortalecer o gerenciamento de incidentes. Continue acompanhando o post e saiba como melhorar sua estratégia: Leia mais

Sua estratégia de gestão de incidentes está preparada para o futuro?

Boa parte das empresas já dispõe de algum nível de detecção de ameaças, bem como, é capaz de responder aos incidentes de maneira geral. Porém, poucas contam com uma estratégia de ação pró ativa, evitando que os ataques e invasões cheguem a de fato acontecer.

Com a evolução e o consequente aumento dos ciberataques, a tendência é que a resposta a incidentes se torne cada vez mais ineficiente, abrindo espaços para as vulnerabilidades do sistema. Por isso, é fundamental que a empresa esteja focada em ações visando não apenas a proteção, mas também o futuro de seus ativos digitais.

Muitos serviços de detecção e resposta a incidentes já estão evoluindo para ajudar que as empresas consigam ter uma postura mais pró-ativa. Porém, para viabilizar de forma consistente e segura a gestão de incidentes, é preciso apostar em algumas estratégias. Confira! Leia mais

Por que as empresas precisam de uma estratégia de gestão de riscos corporativos

Para os especialistas em segurança da informação, é preciso que os departamentos de TI compreendam melhor as estratégias dos ciberataques para que possam responder adequadamente às ameaças avançadas. Como demonstram as estatísticas mais atuais, os velhos métodos parecem que se tornaram ineficazes para combater os ataques ou mesmo as tentativas de invasão. Nunca em outro momento da história o número de violações de dados e infecções por malwares foi tão alto, o que significa que é hora de rever os métodos e conceber novos caminhos.

Hoje boa parte das empresas e seus respectivos departamentos de TI contam apenas com uma postura reativa aos ataques e as ameaças, sem qualquer planejamento ou mesmo uma postura pró-ativa visando a proteção dos dados e a prevenção dos ciberataques. Por este motivo, incorporar alguns princípios da gestão de riscos pode fazer toda a diferença. Para saber mais, confira o post de hoje!

Gestão de riscos corporativos e defesa de dados

A gestão de riscos é uma metodologia importante que concentra esforços de segurança sobre a missão da organização, priorizando a defesa dos dados e das informações mais críticas. Ao analisar as ameaças e as consequências que elas podem gerar para os dados e o dia a dia da empresa, fica mais fácil entender o que priorizar e o que não priorizar em termos de respostas à incidentes, bem como, qual a melhor forma de aprimorar a postura da companhia, evitando mais ataques.

A união da metodologia da gestão de riscos para a defesa dos dados visa transformar a segurança da informação em uma estratégia interligada ao conteúdo e aos ativos digitais das empresas, conhecendo mais a fundo a qualidade dos seus dados, em vez de propor apenas ferramentas mais e mais potentes, sem qualquer razão pro trás disso. Leia mais

Como um software de SIEM reforça suas políticas de segurança da informação

Os funcionários de uma empresa são considerados pelos especialistas e pelas estatísticas como uma porta de entrada para boa parte dos ciberataques. Ignorar a necessidade de treinamentos ou mesmo a adoção de medidas de segurança contra ações que colocam a empresa em risco é o mesmo que ignorar uma bomba relógio que, cedo ou tarde, irá explodir.

Além da conscientização sobre segurança da informação, algumas ferramentas como os softwares de SIEM (Security Information and Event Management) vêm mostrando bons resultados no ambiente corporativo. O SIEM possibilita o gerenciamento e a correlação de eventos de segurança utilizada para monitorar os usuários em busca de ações maliciosas.

Esse tipo de solução permite que os administradores de segurança da informação identifiquem comportamentos de usuários negligentes e tomem as medidas a tempo para evitar os danos de uma potencial invasão ou mesmo uma ameaça.

Para saber como funcionam os softwares de SIEM e de que maneira eles podem complementar a política de segurança da informação da sua empresa, tornando seus dados mais seguros, confira o post! Leia mais

Conheça alguns erros que as empresas cometem com criptografia de dados

O uso da criptografia para a proteção de dados continua sendo uma técnica amplamente utilizada pelas empresas que investem em segurança da informação. De acordo com um relatório elaborado pela Sandvine, 70% do tráfego global da internet estará criptografado até o final deste ano. Porém, ao contrário do que muitos pensam, a criptografia de dados não é uma ferramenta de segurança 100% segura. Muitas empresas hoje estão diante do desafio de se protegerem dos ataques que estão ocorrendo mesmo no tráfego criptografado, como já apontou um estudo feito pelo Instituto Ponemon. Mas afinal, porque a criptografia vem se mostrando tão insegura? A resposta está na maneira como as empresas negligenciam certo erros. Quer saber mais quais são esses erros e como se proteger? Então, confira!

Não monitorar o tráfego criptografado

Segundo o levantamento realizado pelo Instituto Ponemon, somente no ano passado 81% das empresas americanas foram vítimas de algum tipo de ciberataque. Embora 41% das empresas afirmem que utilizam a criptografia para protegerem seus dados, a grande maioria não inspeciona o tráfego criptografado.

Além disso, 51% das organizações ainda contam com a sorte, esperando a entrada de hackers no sistema, para então tomar as medidas relativas à criptografia de dados. Hoje é possível que um malware acesse o sistema interno escondido dentro do trafego não monitorado, promovendo a invasão. A falta de monitoramento, portanto, é um grave erro que deve ser evitado, sob pena de precisar lidar com a remediação de uma invasão.

Desenvolvedores não são especialistas em segurança

Muitas empresas acreditam que para cuidar da criptografia de dados, desenvolvedores de software são os profissionais mais indicados, porém isso é um mito. Especialistas em segurança da informação, em geral, possuem uma formação em TI. Ou seja, eles administram pen tests e CISO’s.

É preciso realizar a gestão adequada dos dados criptografados

A tendência nas empresas é que a criptografia de dados cresça cada vez mais, forçando dispositivos de rede, terminais e aparelhos de otimização a processar, transmitir e inspecionar esses dados. Por isso, será comum que esses dados necessitem cada vez mais de acesso aos certificados SSL/TLS.

Isso significa que as organizações precisam de soluções escaláveis, que possibilitem proteger tanto esses dados quanto as respectivas chaves de criptografia. Porém, a questão que se coloca é: quem irá cuidar disso?

56% dos profissionais de TI ainda realizam esse tipo de atividade manualmente, o que no futuro se mostra como um modelo insustentável. Por isso, visando uma boa gestão, as empresas precisam saber como administrar suas chaves e certificados, para que seu ambiente se torne tão ágil e necessário quando preciso.

Cloud computing não exclui a necessidade de criptografia

Com a popularização da computação na nuvem, diversos aplicativos de segurança deixaram de ser controlados para que os dados fossem transferidos para a nuvem. Para muitas empresas a nuvem parece um sistema não apenas vantajoso, mas também seguro.

No entanto, isso não é uma realidade absoluta ainda. Hoje, empresas como Amazon e Google vêm investindo pesado para se posicionarem no mercado como a nuvem mais segura. A segurança na nuvem é algo que vem se aprimorando e ela não exclui a criptografia de ativos digitais importantes, como muitos pensam. Algumas empresas como a Amazon, por exemplo, já vem deixando explicitamente no contrato que a criptografia de dados não é da sua responsabilidade..

Investir em integração

Sem integrar os dispositivos ou aplicativos da rede aos sistemas de segurança da informação é difícil se organizar para manter o controle de chaves e certificados. Por isso, é fundamental contar com soluções que ofereçam automatização integrada, possibilitando a operação segura.

Você utiliza a criptografia de forma correta na sua empresa? Conheça algumas soluções que podem ajudá-lo com a criptografia de dados. Soluções de criptografia abrangem todo o ambiente computacional da empresa, tais como aplicações, bancos de dados, plataformas de e-mail, bem como topo o parque de máquinas como servidores, desktops, notebooks e dispositivos móveis, aumentando significativamente a segurança e o sigilo dos dados e informações sensíveis da organização. Clique aqui e saiba mais!